Flutuantes Passeios

Danielle Lins

Textos


Estar sozinha no dia dos namorados já foi um problema quando eu era novinha. Mas aos 31 anos eu já sei que problema mesmo é ser só. Ser só amiga. Ser só empregada. Ser só engraçada. Ser só inteligente. Ser só sexy. Ser só boazinha. E principalmente ser só quem a gente não é, esse é o maior problema que se pode ter. Viver de aparências, fingir se adequar, se limitar, se restringir, se espremer bem dentro das convenções da convivência social vazia. Garçom, uma garrafa de champanhe.

Olha, somos só amigos, ok? Como se a gente pudesse separar os sentimentos, as características, os defeitos, as estranhezas, as grandezas, o humor e as mil outras facetas das pessoas. Fulano é muito inteligente. E o resto? Fulano não é bobo também às vezes? E eu posso chamar de bobo mesmo sendo inteligente? Ciclano é tão sexy. E será que ele chora e esperneia vendo filme romântico? Fulana é super bem resolvida. Oi? E quando chega o dia dos namorados? As pessoas gostam de fingir que os outros são só isso e aquilo. Rótulos, estereótipos. Concepções inflexíveis de tudo. E um preconceito com os solteiros que convenhamos! Quem disse que o dia dos namorados é para ser comemorado por quem tem namorado? Não, não, não. Passem para cá essa garrafa de Chandon.

A palavra namorar vem da expressão espanhola “estar en amor”. Ora, estar em estado de amor pode acontecer com quem tem um namorado, pode acontecer com quem não tem e é possível ainda que quem tenha não se sinta assim. Amor pode ser bem maior do que o que se pinta no dia dos namorados. Amor pode ser um bem estar que você sente lá no fundo, por ter visto um filme bacana, por ter tido um sonho bom, por fazer um bom trabalho. Estado de amor por ter feito caridade, por entender melhor o mundo, por conseguir meditar e encontrar uma paz que a gente nem pensa existir. Estado de amor por ser humano e feliz. I will drink to that!

Estar ou não estar acompanhado não interfere em algo que devia ter um dia de muita comemoração também: se amar, ser livre, ser inteiro, ser quem se é, estar bem. Isso também é motivo para comemorar! Mais champanhe! E eu declaro que comemoro comigo mesma o dia dos namorados. Sozinha, mas inteira. Eu não sou só isso ou só aquilo. Eu sou eu, cheia de defeitos e espantos, de ternura e alegria, de amor, amor, amor. Muito bem acompanhada de todas as pessoas no mundo que recebem as melhores energias que eu tenho e me passam as suas num namoro eterno de se viver bem. Tim-Tim! E se tiver um amigo para apresentar… Garçom, outra garrafa!

Danielle Lins
Enviado por Danielle Lins em 18/07/2012
Alterado em 18/07/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Danielle Lins - www.daniellelins.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Seguir @daniellewheelys