Flutuantes Passeios

Danielle Lins

Textos


Saber-se Metade

Eu, que sempre fui só,
Me vejo agora perdida...
A força reduzida a pó,
Se não me sinto querida!

Eu, que sempre chorei
Minhas angústias sozinha
e com minhas mãos sequei
as mágoas todas que tinha,

Não sei mais como chorar
Se não me derem a mão,
Não tenho mais como secar
As mágoas do meu coração...

Desaprendi meus consolos
Internos, pensados, precisos.
Preciso dos carinhos tolos,
Do colo, das mãos e dos risos.

Eu tinha tudo guardado,
Não era pra ninguém olhar!
Agora eu olho pro lado,
Procuro alguém pra mostrar...

"Completa" dentro de mim,
Me achava feliz do meu jeito,
Mas era começo sem fim
E nem sabia direito...

Agora meu peito me diz:
No outro é que a gente se encontra,
No outro é que a gente é feliz!
Mas é preciso estar pronta...

Porque saber-se metade
É depender de outro alguém,
Às vezes sofrer de saudade,
Às vezes chorar sem ninguém...
Danielle Lins
Enviado por Danielle Lins em 13/11/2006
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Danielle Lins - www.daniellelins.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Seguir @daniellewheelys